O DRIBLE DE ROMÁRIO

Romário passou o fim de semana respondendo seus seguidores no Twitter sobre a reportagem de VEJA que revelou uma conta-corrente não declarada na Suíça com saldo de 7,5 milhões de reais pertencente a ele. 

Abaixo algumas das mensagens do senador na rede. Em nenhuma delas, Romário é capaz de cravar que não possui a conta: 

- É possível que tenha sobrado algum rendimento. Honesto e suado; 

- Recurso recebido no exterior não é declarado e sim pode ser notificado a qualquer momento; 

- Se ele existir e eu trouxer para o Brasil, aí sim há a obrigação de declarar;

- Dinheiro ganhado fora é taxado diretamente lá e não aqui. Aqui basta notificar a qualquer momento. Só é taxado se eu trouxer; 

- Essa conta, se existe, são de recursos de quando joguei fora. Não é ilegal; 

- Declarações de recursos recebidos fora do Brasil são feitos lá fora, não aqui. 

Ainda que não esteja desvendada (ainda) a data de abertura da conta, Romário joga para a galera na argumentação e se esquece do principal: ele têm dívidas a pagar no Brasil – privadas (como com a ex-mulher, condomínios, etc) e públicas (com a Receita Federal). Esse dinheiro escondido deveria estar quitando essas contas. 
Por Lauro Jardim