PMDB fecha lista de cargos que valem ‘mais que ministérios’

Preparados para a fome dos partidos que apoiaram o seguimento do processo de impeachment na Câmara, e sabedores da necessidade de preservar essas siglas para compor uma base parlamentar ampla no Legislativo caso Michel Temer assuma, aliados próximos ao vice-presidente preparam uma lista de cargos de segundo escalão, fundações, fundos, estatais e autarquias que valeriam mais que muitos ministérios. 

A ideia é reduzir a pressão por vagas na Esplanada, uma vez que uma das primeiras medidas de Temer, caso assuma, será enxugar o número de pastas — uma das sinalizações que ele pretende fazer para começar a angariar algum aval popular, além de endosso no empresariado.

A lista dos cargos que valem por ministérios inclui o comando de bancos públicos, diretorias estratégicas desses mesmos bancos, o comando de órgãos como Dnit, Funasa e Dnocs e fundos como os de ciência e tecnologia. 

Seriam cerca de 20 a 30, segundo os cálculos feitos pela equipe de Temer até aqui. Quanto aos ministérios, a redução deverá ser mais modesta que a prometida antes de o impeachment avançar e a lista de aliados a contemplar crescer. Deve ficar acima de 25 o número de pastas de primeiro escalão. ROL