Willian Arão e Botafogo travam mais uma batalha nos tribunais

O jogador Willian Arão e o Botafogo travam mais uma batalha na justiça. Nesta terça (7), no Rio, o atual volante do Flamengo tentará se livrar de vez da multa rescisória de 20 milhões de reais cobrada pelo clube. 

A guerra já dura dois anos, e envolve uma série de polêmicas. Na audiência de conciliação realizada em setembro de 2016, o Botafogo enviou como representante seu vice-presidente Jurídico, Domingos Flores da Rocha, e o advogado Pedro Lundgren. 

Este último é filho de Maria Cristina Belmonte, que casada com o ministro do Tribunal Superior do Trabalho, Alexandre de Sousa Belmonte. 

Dois dos desembargadores responsáveis pela próxima audiência, aliás, declararam-se impedidos para prosseguir com o caso. Mery Bucker Caminha alegou foro íntimo, enquanto Mario Sérgio Medeiros Pinheiros disse ser torcedor do clube, inclusive tendo atuado como vice-presidente. 

No lugar deles, foram convocados os juízes Márcia Regina Leal Campos e Eduardo Henrique R. Von Adamovich, que não podem torcer pelo Botafogo. 
ROL