‘TERRORISMO’ CONTÁBIL

O périplo do ministro Henrique Meirelles (Fazenda) por gabinetes do Supremo Tribunal Federal pode representar tiro no pé. “Não é apropriado vir aqui fazer terrorismo contábil”, lamentou um ministro. 
DP