Especialista desqualifica perícias feitas sem análise do gravador

O presidente da Associação Brasileira de Peritos Criminais, Bruno Telles, considera uma irresponsabilidade a batalha de laudos produzidos em cima do áudio da conversa entre Michel Temer e Joesley Batista. 

Ele sustenta que, hoje em dia, é impossível se realizar uma perícia sem que o gravador usado seja minuciosamente examinado. “Há gravadores, com normalizadores internos, que podem captar um ruído externo de alta amplitude e transformá-lo num ruído muito semelhante ao de uma edição, por isso não se fazem perícias “de ouvido”, explica. 

Temer contratou o perito particular Ricardo Molina para analisar o material. Em entrevista coletiva, ele afirmou que o áudio é “imprestável”. 

Molina não passou nem perto do equipamento usado por Joesley. O presidente da associação da categoria levanta suspeitas sobre a credibilidade de um sujeito contratado pelo investigado. Ele classifica esses profissionais como “pareceristas”, não peritos. “Não se vê pareceristas dando laudos contrários aos interesses de quem o contratou, é lógico”. 

Telles avaliza somente a análise prometida pela Polícia Federal, que não teve início justamente porque ainda não recebeu o gravador. 
ROL