Mulher que chamou segurança de macaco vai pagar indenização de 8 mil

A policial civil afastada, Núzia Santos de Aquino, foi condenada na última sexta-feira (9), pela Justiça da Vara Cível, por proferir ofensas racistas contra um segurança de uma loja do Shopping Barra, em Salvador. 

A ré terá de pagar indenização por danos morais, constrangimento e injúria racial no valor de R$ 8 mil. O caso aconteceu em setembro de 2015. 

A vítima explicou o que ocorreu na noite de 29 de setembro de 2015: "Eu estava para passar o plantão, quando ela teve um problema na loja. Eu fui averiguar o fato, ela não gostou da minha presença, e falou que não precisava de segurança, que ela era policial civil. Eu respondi que estava apenas fazendo meu trabalho, e então ela me chamou de macaco e bateu no peito, fazendo uma imitação de macaco."

O segurança chamou a Polícia Militar imediatamente. "Apenas disse a ela que a lei que assiste ela iria me assistir e que ela seria penalizada", contou ele. "Por dentro a gente se sente ofendido, humilhado. Foi a primeira e única vez que isso aconteceu comigo", completou. Testemunhas assistiram a cena e uma multidão logo se aglomerou no local. A mulher se escondeu no provador da loja sob gritos de "racista". 

Aquino ficou presa na corregedoria da Polícia Civil e foi liberada após pagamento de fiança. A acusada estava afastada da polícia desde 2008 devido a problemas psicológicos.